Alma de Mulher
António Castel-Branco


Maior que o tempo presente,
com ruas de amor sulcadas,
braços que enlaçam sementes
um dia do ventre brotadas,
cintila na orla do vento...
nas ondas do verbo que quer,
é água e é fogo e é vida,
é a alma da mulher.


Gerada no ventre da terra
com aura de amor e de luz,
capaz de virar uma fera
ou tão frágil que seduz...
abarca em seu coração
um universo de querer,
a vida transporta em seu seio...
na sua alma, mulher.


Vestida de ondas de luz,
coberta com rendas de estrelas,
desbrava ribeiros de sons
em veredas paralelas,
e busca versos de emoções
entre poemas de viver...
Eis o cerne, a essência,
duma alma de mulher.





Taropoesia - Página dos Poetas


Visite os sites do escritor:
Ecos da Poesia - António Castel-Branco
Recanto das Letras - António CastelBranco





Leia abaixo a interpretação tarológica do poema.






Taropoesia - Arcanos Maiores - A Imperatriz

Envie a página a um amigo

  Taropoesia - Tarô, Anmor & Poesia - Menu